domingo, 28 de fevereiro de 2010

O Segredo dos Seus Olhos


Por indicação do meu amigo André Rafael, assisti a esse maravilhoso filme argentino. Daqueles que quando acaba você solta um sonoro: QUE FILME DO C****!!!

Cenas pra guardarmos dentro de nós:
1) Quando o seu amigo Sandoval lhe prova que podemos trocar de religião, de noiva, de roupa...mas não se pode trocar de paixão. Essa paixão que nos move, nossa mola-mestra. No meu caso, a música;

2) O sentido do que é perpétuo.

Assista...

http://www.youtube.com/watch?v=dY-WjN5n2Pc (trailer)

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

As fotos que "dançam" !!!

Stereobox - Ela Desapareceu

http://www.youtube.com/watch?v=zQNR5FVwpd0

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Stereobox - Lado Ingrato - Ao Vivo na FIERGS

http://www.youtube.com/watch?v=B-tSQb9k2Ng

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

A vida é urgente



União entre a música e o amor ao próximo: Stereobox e a galera do Vida Urgente, o verdadeiro exército da Vida. Mais um Carnaval acaba, e infelizmente muitas vidas perdidas nas estradas. Eu me impressiono com reportagens de motoristas bêbados sorrindo ao volante, consumindo álcool. Esses mesmos não têm cacife moral pra criticarem a podridão do Brasil, pois fazem parte dela. Um país onde não se respeita o sinal vermelho, o símbolo que qualquer criança reconhece e que significa: PARE.
Dia desses, no trânsito, meu filho viu um carro passando o sinal vermelho e me perguntou: Pai, porque aquele carro passou se o sinal estava vermelho? Respondi que lhe faltou educação.
É de suma importância criar esse espírito crítico nos filhos, pois daí vem a educação.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Era uma vez, em 1988...




A tecnologia me surpreende e me agrada a cada dia que passa. Penso assim principalmente pelas pessoas que pude reencontrar graças às redes sociais que (re) unem pessoas que pareciam sumidas na nossa vida. E também nos fazem lembrar de acontecimentos fantásticos. Alguns retratados.
Recebi essas fotos. Foi a minha 1ª banda, chamada Intolerantes, em 1988.
Na foto de baixo, da esquerda pra direita: Xandy Freitas (baixo), eu (guitarra), Kz (meu irmão, no vocal), Pedro Lenine Sander (guitarra) e Marcelo Campos (bateria).
Era uma época de ouro. Um descompromisso com a realidade, um sonho. Não sei aonde queríamos chegar. Eu lembro que meu único sonho era tocar no Gigantinho lotado. Não tínhamos idéia de mainstream, de passagem de som, de set list, de road manager...era uma união de amigos de colégio. Amigos que se encontravam no prédio do Xandy, na Rua Silveiro. Violões, bate-papos, nostalgia, amores platônicos...a realidade passava muito longe daquela rua. Todos praticamente estudavam. Trabalho? só o Xandy, na Eletrônica Synch e o Kz, na Tv Gaúcha...
O primeiro show foi no pátio do Colégio Infante Dom Henrique, dia 22/04/1988. Um festival de bandas que tinham como palco um aglomerado de classes amarradas...aquilo já era o Gigantinho.
O tempo passou, eu e o Marcelo continuamos mergulhados na música, mas só eu ainda acredito em viver dela. Cada um seguiu o seu caminho, mas a história está gravada no coração da gente.
E uma das músicas do Pedro, o maior hit dos Intolerantes, ilustrava tudo com muita propriedade:"... Tá tudo bem...enquanto o fim não vem."
E, que pena...ele chegou.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

"Valorize a grandeza da alma..."


Eu me lembro bem. Era uma tarde fria em Porto Alegre, quando recebo em minha casa um moleque (moleque mesmo) com um toca-fitas embrulhado numa sacola de academia e um cd na mão. Era o baterista de uma banda e trazia o material para minha audição. Confesso que me amarrei mais na atitude dele do que no trabalho em si. Me vi na pele dele, quando morava com a Stereobox no Rio e percorria gravadoras e contatos. Ele queria que eu escutasse e comentasse alguma coisa. Consegui convencê-lo de que precisava de muitas audições pra avaliar, e pensava "o que esse guri quer com a minha opinião???"...Fui a um ensaio deles...e não via muita química naquela banda, mas aquele baterista tinha muito mais do que vontade. Tinha fé.
Passou um longo tempo, eis que ressurge em minha casa aquele mesmo moleque, só que dessa vez, com um trabalho solo. Fiquei mais impressionado com a matéria-prima que estava ali na minha frente. O material continuava a desejar, mas as músicas diziam algo que tocava o meu coração. Ora, um adolescente em plena era da informação, do sexo precoce, das drogas licitamente proibidas, falar em paz, em amor no coração...estava diante de um fenômeno...de um rapaz de luz interior gigantesca.
Nos trancamos no estúdio (eu, ele e o Juliano - baterista da Stereobox) e produzimos um material incrível, apesar da falta de experiência dele em cantar e gravar.

Depois ele correu sua própria estrada...tá achando o seu destino...usa e abusa da rede...se transformou num fenômeno de acessos no Orkut, no Palco Mp3, na vida.
Eu não tava errado...e percebi como é importante uma opinião.

Respeitável público, com vocês: SEADI !!!
www.seadi.mus.br